Teoria da Resposta ao Item (TRI) X Teoria Clássica da Medida (TCM).

  1. O método de correção tradicional, também conhecida como Teoria Clássica da Medida (TCM) ou Teoria Clássica do Teste (TCT), é aquele onde cada questão tem um valor ou um peso diferente de acordo com o grau de dificuldade. Na TCM, cada item tem sua pontuação independente de outro.
  1. O outro método de correção é utilizando o modelo da Teoria da Resposta ao Item (TRI), que é o mesmo método utilizado na correção do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) desde 2009. O ENEM é uma prova elaborada pelo Ministério da Educação para verificar o domínio de competências e habilidades dos estudantes que concluíram o ensino médio e uma ponte de entrada para o ensino superior público e privado (através do PROUNI). O ENEM é composto por quatro provas de múltipla escolha, com 45 questões cada, e uma redação.
  1. A vantagem da TRI em relação a teoria clássica é que ela permite a comparação entre populações (turmas diferentes, escolas diferentes, etc.), desde que submetidas a provas que tenham alguns itens comuns, ou ainda, a comparação entre indivíduos da mesma população que tenham sido submetidos a provas totalmente diferentes. Isto porque uma das principais características da TRI é que ela tem como elementos centrais os itens, e não a prova como um todo.
  1. Na TRI, os itens do teste são avaliados conjuntamente.
  1. A TRI consegue captar aqueles candidatos que “chutam” mais, penalizando a nota do mesmo. A TRI também valoriza aqueles que acertam as questões de forma mais coerente, ou seja, aqueles que acertam mais questões fáceis do que difíceis. Aqueles que acertam mais questões difíceis do que fáceis teriam a sua pontuação prejudicada, uma vez que na lógica da TRI, esses indivíduos deveriam acertar as mais fáceis já que sabem as mais difíceis. Assim, é possível que candidatos com mais itens acertados possam ter uma nota inferior a outros candidatos com menos itens acertados.
  1. O objetivo da TRI é enumerar o traço latente do respondente. Traço latente é uma característica ou habilidade que não pode ser observada diretamente. Por exemplo, em uma prova de matemática, o aplicador do teste quer avaliar a proficiência do aluno da área em específico. Logo, o traço latente seria a proficiência em matemática. Observa-se que muitos trabalhos na área da psicometria utilizam essa metodologia, já que diversas outras características podem ser enumeradas e mensuras com ela.
  1. O modelo utilizado no ENEM é o modelo logístico de 3 parâmetros, também conhecido como ML3. Esses parâmetros são as características impregnadas em cada questão do teste. Cada questão terá um conjunto de 3 parâmetros que são: a – Parâmetro da discriminação, b – Parâmetro da dificuldade e c – Parâmetro do acerto ao acaso (ou probabilidade de acertar uma questão ao chutá-la).
  1. O parâmetro a se refere a quanto a questão diferencia quem sabe e quem não sabe determinada questão. Quanto maior o valor de a, melhor será o item.
  1. O parâmetro b refere-se a dificuldade da questão. Ele pode assumir valores negativos. Geralmente esse parâmetro está na escala (0,1). Ou seja, o ponto central da dificuldade será 0 e os desvios serão 1. Exemplificando, um item com parâmetro b = 1,7, está 1,7 desvios acima da média, enquanto um item com parâmetro b = -3 está 3 desvios abaixo da média. Quanto maior o valor de b, mais difícil será o item e quanto menor o valor de b, mais fácil será o item. Ele também pode ser chamado de parâmetro de locação pois ele diferencia os itens em relação a dificuldade. Ou seja, um item com parâmetro b = 1 é mais fácil que um item com parâmetro b = 2.
  1. O parâmetro c está relacionado a probabilidade de uma pessoa com baixa proficiência acertar uma questão. Também pode ser relacionada a probabilidade uma pessoa acertar a questão ao acaso. Espera-se que uma questão com 5 alternativas tenha parâmetro c igual a 0,2.
  1. No contexto internacional, a TRI vem sendo empregada amplamente por vários países: Estados Unidos, França, China, Holanda, Coreia do Sul e principalmente nos países participantes do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (PISA). O PISA utiliza o modelo de Rasch (RASCH, 1960) da TRI (modelo com apenas o parâmetro b) e coloca os resultados em uma mesma escala de proficiências para cada área, ao longo dos anos (ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT, 2003, 2011; KLEIN, 2011). Outro exemplo de avaliação utilizando a TRI é o exame de proficiência em língua inglesa (TOEFL). Este exame surgiu em 1964 e é largamente utilizado em todo o mundo. Desde o início de sua origem, este exame já avaliou mais de 25 milhões de alunos e tem sido administrado por mais de 4.500 centros em 165 países (MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, 2012).
  1. O produto EasyTeste da HS Informática a partir da versão x incorpora tanto o da Teoria da Resposta ao Item (TRI) tanto a Teoria Clássica da Medida (TCM) nos seus processos de correção.
  1. Em caso de dúvidas entre em contato: hs@hsinformatica.com.br ou Belo Horizonte (31) 4063-8147, Brasília (61) 4063-7258, Curitiba (41) 4063-8137, Fortaleza (85) 4062-9031 Goiânia (62) 4053-9530Porto Alegre (51) 4063-8315 Recife (81) 4062-9071 *Rio de Janeiro (21) 2447-1238 Salvador (71) 4062-8646 São Paulo (11) 4063-3071
  1. HS Informática desde 1985 desenvolvendo produtos para o mercado educacional.
  2. Para saber mais sobre sobre o TRI e a Teoria Clássica da Medida, por favor click aqui.

      : Belo Horizonte (31) 4063-8147, Brasília (61) 4063-7258, Curitiba (41) 4063-8137, Fortaleza (85) 4062-9031 Goiânia (62) 4053-9530 Porto Alegre (51) 4063-8315 Recife (81) 4062-9071*Rio de Janeiro (21) 2447-1238 Salvador (71) 4062-8646 São Paulo (11) 4063-3071

"